Interaja - Compartilhe


Assista



Essa Luta Muda SP
Instagram

 
Movimentos se organizam para debater o Zoneamento

 

    Os nove meses de debates promovidos pela Câmara Municipal de São Paulo até a aprovação do PDE (Plano Diretor Estratégico) – no primeiro semestre do ano passado, com propostas para definir diretrizes para o desenvolvimento da capital paulista – fizeram com que a população se reunisse e criasse movimentos para defender seus interesses.


    A necessidade de se organizarem em grupos para fortalecer as sugestões apresentadas ao poder público surgiu a partir das demandas apresentadas durante as audiências públicas. “Me inscrevi em uma das primeiras discussões que a Câmara realizou, e quando fiz as minhas considerações, muitos vieram me procurar dizendo que pensavam o mesmo”, contou um dos integrantes do Movimento ZER Legal  – que defende interesses de famílias prejudicadas com imóveis em zonas exclusivamente residenciais, Christian Bojlesen.
 

  Para os participantes dessa instituição, a revisão do zoneamento deve ser feita o quanto antes, porque a legislação vigente, de 2004, está defasada. “O Campo Belo, zona sul, que era um bairro com corredores de comércio e serviço no passado, foram mudados com a revisão do zoneamento em 2004, e isso precisa ser revistos. Essas áreas são importantes para permitir que as pessoas trabalhem perto de suas casas”, explicou Bojlesen.


    Na minuta em discussão apresentada pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano, a alteração de Zer (Zonas Estritamente Residencial) para ZM (Zona Mista) está mantida, o que vai de encontro com as sugestões apresentadas pelo Movimento ZER Legal.


  Outro problema que fez com que a população se articulasse é na rua São Benedito, no bairro Alto da Boa Vista, zona sul. As pessoas pedem um zoneamento amplo para essa área, já que existe comércio há décadas nesse endereço. “O problema é que nas extremidades dessa rua temos uso misto, mas nos outros quarteirões são exclusivamente residenciais. No entanto, as empresas foram se instalando nessa área e começamos a receber multas da prefeitura, fazendo com que até muitos empresários saíssem daqui”, afirmou a presidente da Associação São Benedito Legal, Dora Lopes.


  Para ela, é necessário uma revisão da legislação para que o comércio seja legal nesse bairro. “É um direito legítimo e merecido, porque geramos emprego e contribuímos para que a mobilidade fique melhor, já que as pessoas não precisam se deslocar para ir trabalhar”, explicou.


    O projeto da Lei de Parcelamento, Uso e Ocupação do Solo já foi encaminhado ao legislativo paulistano pela prefeitura, e Bojlesen sinaliza que a proposta deverá ficar ainda melhor após os debates que serão promovidos pela Casa. “Acho que a Câmara é o palco natural da discussão e quando a proposta estiver aqui terá mais espaço para debates produtivos”, disse.

Fonte: CMSP